18/06/2020 – A indústria de óleo & gás acaba de ganhar um novo representante de peso, que atuará como voz técnica na discussão e proposição de temas dos setores de downstream e midstream, que englobam a produção, importação, logística e distribuição de combustíveis. A Associação Brasileira de Downstream (ABD), abrigada pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (IBP), foi constituída nesta terça-feira (16.06), em assembleia virtual, e teve aprovado seu Estatuto Social, os membros de seus conselhos de administração e fiscal, entre outros itens. A ABD terá sede no atual escritório do IBP, no Rio de Janeiro.

Para Clarissa Lins, presidente do IBP e eleita também como representante no Conselho de Administração da ABD, a associação nasce em  um momento oportuno de transição  do mercado, a despeito de todas as condições adversas trazidas pela pandemia de Covid-19. “Este é um momento histórico e exigiu muita dedicação do IBP e dos representantes das empresas associadas. Criada a partir dos mais modernos princípios de representação empresarial defendidos pelo IBP, a ABD pretende discutir e criar uma visão sistêmica para o mid e downstream, repensando o modelo de atuação do segmento de refino, logística e distribuição de combustíveis e lubrificantes em um novo ambiente, com pluraridade e liberdade entre os agentes, moderno, competitivo, justo e sustentável”, explicou.

Ética e transparência, apoio a um mercado competitivo e dinâmico, respeito aos contratos e proteção à marca, segurança jurídica, segurança das operações e dos investimentos, equidade tributária e combate à irregularidade são alguns dos princípios da Associação, que se propõe a reunir agentes econômicos diversos, com voz e representatividade, como refinadores, centrais petroquímicas de 1ª geração com produção de derivados, operadores logísticos, distribuidoras de combustíveis, produtores de lubrificantes e aditivos.

Fonte: IBP – Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Associação Brasileira de Downstream vai discutir futuro do mercado de derivados de petróleo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *